sábado, 7 de setembro de 2013

Resenha de Abismo Infinito

Fala galera! 

Estou aqui hoje trazendo para vocês uma humilde resenha (ainda que muito atrasada) do foderástico Abismo Infinito, criado pelo brazuca John Bogéa, criador do também foderástico Terra Devastada, que em breve terá uma merecida resenha neste blog. O livro é distribuído pela nossa querida Retropunk.
O jogo foi lançado em julho de 2012 e estou trazendo a resenha agora, mesmo após um ano de seu lançamento, por dois motivos principais. Primeiramente, porque como sou apaixonado por RPG, não poderia em momento alguns privar os leitores que ainda não conheceram o jogo te terem pelo menos um gostinho do que poderão encontrar neste livro maravilhoso. O segundo motivo, é que no último domingo deste mês, dia 29 de setembro, teremos aqui em Juiz de Fora o 2º Joga Conclave, evento de RPG que teve início mês passado na Livraria Saraiva do Shopping Independência e rendeu resultados positivos a ponto de tornar-se um evento mensal. Para este evento, levarei o meu Abismo Infinito para apresentá-lo para quem se interessar.
Sem mais delongas, segue a resenha. Espero que gostem da resenha e principalmente desse jogo, que é sem dúvida uma preciosidade criada por um brasileiro.

Tendo sua primeira versão desenvolvida em 15 dias para o concurso de game design “Faça Você Mesmo” da Editora Secular Games, em fevereiro de 2011, Abismo Infinito, um Jogo Narrativo de Horror no Espaço, como nos é apresentado pelo próprio autor, começa a nos seduzir desde a capa, que nos mostra o talento e o bom gosto do mesmo.
O formato quadrado (21 cm x 21 cm) dá um toque luxuoso e diferenciado ao livro. A capa traz a ilustração do crânio de um argonauta dentro de uma roupa espacial, vagando pelo espaço, sem vida. As cores e tons também são muito bem trabalhados e seguem os padrões das páginas internas do livro. No verso, o livro traz o seguinte texto: “Um jogo narrativo de terror psicológico em que os protagonistas são astronautas envolvidos em uma trama de pesadelos lúcidos enquanto enfrentam manifestações de seus próprios medos nas profundezas do espaço”. Este texto nos dá uma boa ideia, mesmo que de forma bastante simplificada do que esperar no livro. A capa dura e a indicação 18+ devida ao horror termina o conjunto da obra nos arrebatando e deixando muito curiosos ainda sem sequer ter aberto o livro.
O livro tem 112 páginas, divididas em quatro capítulos apresentam todas as informações necessárias para se jogar.
O livro, segundo o autor, com o cenário inspirado no poema Nêmesis, do grandioso escritor H. P. Lovecraft inicia com um mapa da Via Láctea, com todo o universo catalogado pelo ser humano e segue para uma HQ introdutória de apenas seis páginas que nos dão mais uma prévia do que está por vir.
O Capítulo I – Expedições ao Infinito, faz a imersão do leitor para o cenário nos apresentando um mundo já no quarto milênio, quando a escassez de recursos nos leva a explorar lugares cada vez mais distantes em busca do que destruímos ao longo de milênios de existência. Este capítulo, além de nos ambientar, já deixa a cabeça de qualquer um “pipocando” de idéias. É uma verdadeira enchente de informações.
Este capítulo fala bem sobre a era da viagem espacial e as explorações intergalácticas, que foram possibilitadas através da criação dos motores de dobra espacial, permitindo ao ser humano alcançar lugares antes impossíveis.
Aqui também nos é apresentada a Iniciativa Cronos, responsável pela pesquisa, mapeamento, mapeamento e desenvolvimento de programas espaciais e missões de exploração pela Via Láctea, buscando principalmente planetas potencialmente habitáveis e recursos naturais.
Em seguida o autor explana sobre os tipos de missões, estações espaciais, cruzadores intergalácticos, o motor de dobra espacial e as unidades de inteligência artificial (nomos e talos).
A hibernação criogênica também é tratada neste capítulo, nos apresentando suas funções e perigos, que afetam diretamente a mente dos argonautas.
O próximo assunto tratado neste capítulo são as autoctônias, planetas potencialmente habitáveis, porém que necessitam passar pelo processo de terraformação, que tem o objetivo de criar uma biosfera planetária que imite a Terra em outro planeta, modificando sua geologia até transformá-lo em um ecossistema sustentável para os seres vivos terrestres.
Logo em seguida, são apresentados todos os lugares catalogados pela Via Láctea, informando as particularidades e perigos de cada um deles. Aproveitando o gancho, o autor fala sobre vários assuntos interessantes para serem explorados durante as sessões de jogo, como a teoria dos pré-humanos, sítios xenoarqueológicos, pirâmides ancestrais, a origem do universo, a origem da vida e etc, nos levando até a Febre do Espaço, uma doença contraída através de longos períodos de hibernação criogênica, na qual os argonautas começam a sofrer constantes alucinações com representações de seus medos mais sombrios e apavorantes, levando-os a terem pesadelos lúcidos e perderem aos poucos a capacidade de diferenciar realidade de sonho.
Este capítulo termina com uma breve explanação sobre a sociedade e a vida na terra no quarto milênio.
Chegando ao Capítulo II – Caindo no Abismo, este nos explica nos mínimos detalhes o que é jogar abismo infinito, além de apresentar as explicações básicas sobre o que é RPG, os materiais necessários para se jogar, os tipos de personagens, o Mestre do Espaço (narrador) e a experiência de se jogar Abismo Infinito.
Toda a premissa básica do jogo propriamente dito é tratada neste pequeno capítulo.
No final do capítulo, o autor apresenta uma lista imensa de referências e inspirações de diversas mídias diferentes, como filmes, séries, pessoas e livros. Tudo para nos ambientar e aumentar a gama de possibilidades dentro das sessões de jogo.
No Capítulo III – Gênese e Resolução apresenta o sistema de regras do jogo, iniciando pela criação dos personagens, chamados de argonautas de divididos entre dez cargos específicos: Astrogeólogo, Cosmólogo, Criptólogo, Engenheiro, Exobiólogo, Médico, Navegador, Psicólogo, Segurança e Videomaker. Cada um com sua função distinta em meio à tripulação as Argos (cruzadores galácticos).
O sistema de regra é muito bem amarrado e simples de aprender, porém não tão simples para se narrar. As mecânicas podem parecem um pouco confusas a princípio para quem não está habituado com o gênero, porém, logo todos pegam o jeito da coisa e o jogo começa a fluir muito bem.
O capítulo é bastante completo. Após tratar da criação dos personagens, que é dada de forma bastante rápida e intuitiva, na qual o jogador precisa apenas escolher um nome, um cargo, criar uma citação, um medo particular (algo íntimo e psicologicamente terrível, que represente um grande pavor com o qual tem dificuldade de lidar), criar entre 1 e 6 âncoras (coisas, situações, pessoas, lugares ou qualquer outra ligação emocional com a Terra que seja capaz de motivar o argonauta a vencer seus medos para um dia retornar) e distribuir os pontos ganhos com as âncoras entre Sonolência e Medo particular, o capítulo ensina as outras mecânicas diversas de resolução de conflitos e então parte para uma breve, porém detalhada explicação auxiliando na organização e resolução de cenas.
Em seguida são tratadas as manifestações dos medos dos argonautas, onde os medos tomam formas e surgem para acabar com os personagens. A mecânica do poder das manifestações é bem simples e funciona muito bem, permitindo inclusive criar situações e criaturas bizarras combinando os medos de dois ou mais personagens.
Por fim, o capítulo fala sobre os fenômenos espaciais, nomos e talos. Os fenômenos espaciais dificultam muito a vida dos argonautas, com efeitos que geram desvantagens das mais diversas. Nomos e Talos são formas de inteligência artificial que acompanha os personagens durante suas expedições. Nomos são computadores de bordo responsáveis pela estrutura dos Argos (cruzadores), Talos são andróides responsáveis pelo bem-estar da tripulação.
Por fim, chegando ao Capítulo IV – Conduzindo o Pesadelo, é dedicado ao mestre do espaço e conta com dicas muito valiosas para narradores conduzirem as sessões de Abismo Infinito. Neste capítulo são abordados vários temas essenciais para o melhor aproveitamento do cenário, desde a narração das manifestações e ilusões, até a criação de cenários próprios, usando outras temáticas, passando por dicas para dosas terror e horror e elementos específicos do horror cósmico.
Após estas dicas, nos é apresentado um modelo proposto pelo autor de criação de aventuras em três fases, sendo a Fase 01: Despertar, responsável por criar o terror e o medo e estimular a curiosidade dos personagens após acordarem da hibernação criogênica. Na Fase 02: Pesadelo, o horror é colocado em prática e as descrições bizarras torcem os cérebros dos personagens. Por fim, na Fase 03: Redenção os personagens têm uma chance, ainda que remota de livrarem-se de todo esse pesadelo e retornarem para suas casas na terra, contudo, para isso precisarão vencerem seus medos mais obscuros e bizarros, passando por provações de coragem e enfrentando os medos dos outros protagonistas e então retornarem para casa.
Terminando o capítulo (e o livro), nos é apresentado um cenário predefinido de nome Autoctônia 66, com uma aventura introdutória e várias formas de abordá-la.
Então galera, é isso. Abismo Infinito é um excelente RPG!
As sessões de jogo são imprevisíveis, tanto para os jogadores quanto para o narrador, já que este direciona as cenas de acordo com os medos propostos por cada jogador, brincando de várias maneiras com seus piores temores.
É um RPG muito indicado também para se narrar em eventos, uma vez que a preparação por parte do mestre é mais conceitual antes do início da sessão de jogo, que vai se moldando de acordo com os medos e as ações de cada jogador.
Jogar Abismo Infinito é muita diversão e surpresa garantidos. Não deixem de conferir. Abaixo, deixo para quem se interessar, vários links com ótimas postagens relativas ao jogo.
Espero que tenham gostado. Um grande abraço e até a próxima!
Links:
http://filhosdagehenna.blogspot.com.br/ Blog Filhos da Gehenna, com bastante conteúdo de qualidade para Abismo Infinito, entre outros sistemas e cenários.
https://www.youtube.com/watch?v=5oo0_2l3vM8 Botequim dos Jogos Episódio 21: Dissecando Abismo Infinito. Canal do YouTube com muita conversa via hangout sobre RPG. Neste episódio o assunto alvo é o livro em questão e conta com a participação do autor John Bogéa tirando algumas dúvidas sobre vários aspectos do jogo.
https://www.youtube.com/watch?v=LLtLgfNOxGw Vídeo com playeste gravado de Abismo Infinito com Eduardo Caetano.
http://retropunk.net/store/abismo-infinito/32-abismo-infinito-livro-de-regras.html Venda do livro no site RetroStore. O livro vem com escudo do mestre e cd com música ambiente.
http://caminhodasebe.blogspot.com.br/2013/02/cronica-elisium-relato-de-sessao_14.html Relato de sessão de jogo. Narrado por mim para alguns amigos.
http://retropunk.net/store/abismo-infinito/42-abismo-infinito-hq-introdutoria.html Download gratuito da hq introdutória do Abismo Infinito.
http://retropunk.net/store/abismo-infinito/26-abismo-infinito-a-caixa-dourada.html Aventura A Caixa Dourada, criada para Abismo Infinito.
http://retropunk.net/store/abismo-infinito/18-abismo-infinito-quick-start.html Download gratuito do quick start de Abismo Infinito.

http://pontosdeexperiencia.blogspot.com.br/2012/07/resenha-abismo-infinito-horror-pessoal.html Resenha de Abismo Infinito feita pelo blog Pontos de experiência. Resenha muito bem feita e bem mais caprichada!