terça-feira, 8 de outubro de 2013

Resenha de Fiasco - Mais um excelente RPG de narrativa compartilhada!


Fala galera!

Depois de fazer para vocês a resenha do Violentina, deu vontade de trazer para vocês a resenha do Fiasco, que também é um rpg de narrativa compartilhada e um jogo muito bom!

Espero que gostem!
Fiasco, um Jogo de Grandes Ambições e Pouco Auto Controle é um premiado jogo de rpg criado pelo já aclamado design de jogos Jason Morningstar e traduzido no Brasil pela minha tão querida Retropunk editora.

Assim como o Violentina, Fiasco não utiliza de um único narrador, sendo que cada personagem assume o papel de narrador na sua vez. Também assim como no Violentina, Fiasco se baseia na estrutura de filmes consagrados, embora com temas diferentes.

Palavras do Autor: " Fiasco é um jogo inspirado por filmes como Gosto de Sangue, Fargo e Um Plano Simples. Durante a sessão, você e seus amigos vão arquitetar e interpretar situações estúpidas e desastrosas que existem na humorística intersecção negra da ganância, medo e desejo. É como fazer seu próprio filme dos Irmãos Coen - com praticamente o mesmo tempo que você levaria para assistir a um...
Para 3-5 jogadores e 2-3 horas. Não é necessário preparação!"

Segundo as palavras do autor já no início do livro em um texto rápido nomeado Explicação Relâmpago, Fiasco é inspirado nas histórias cinematográficas de pequenos golpes que deram desastrosamente errados - particularmente filmes como os já citados acima e Queime Depois de Ler e Um Plano Simples. Você interpretará pessoas comuns dotadas de ambição poderosa e pouco controle dos próprios impulsos. Serão sonhos grandiosos e execuções pífias. As coisas não irão bem, para dizer o mínimo, e no fim tudo acabará desembocando em uma gloriosa sequência de ciúme, assassinato e recriminação. Vidas e reputações serão perdidas, dolorosa sabedoria será adquirida, e se você for muito sortudo, seu cara pode terminar exatamente no ponto onde começou. Eu adicionaria a série Breaking Bad a esta lista de referências.

O livro Fiasco apresenta todas as regras necessárias para o jogo. As regras são bastante simples e de fácil entendimento. A leitura de todo o livro é bem fácil de entender e as poucas dúvidas que possam surgir são sanadas com um exemplo de jogo bastante claro e explicativo. 

Nas páginas 10 e 11 do livro, o autor deixou um resumo muito bom do livro, no qual explica todos os aspectos importantes pertinentes ao mesmo.

A mecânica básica do sistema funciona da seguinte forma:
No início da partida, os jogadores devem construir um cenário para ambientar o jogo. Os jogadores podem criar um cenário na hora ou levar um cenário pronto chamado de playset. A opção de levar o cenário pronto é a mais viável quando o grupo visa uma preparação mais rápida. Vários playsets prontos para o cenário podem ser encontrados pela internet.
O próximo passo da preparação é rolar vários dados (quatro por jogador, sendo dois "pretos", representando finais ruins e dois "brancos" para os finais bons) e de acordo com os resultados obtidos, alocá-los para obter as relações, necessidades, lugares e objetos entre os personagens. As Relações, Necessidades, Lugares e Objetos que são escolhidos pelos jogadores neste ponto do jogo, influenciam e trabalham em conjunto com a imaginação dos jogadores para criar conflitos dentro do jogo, tornando a experiência narrativa de Fiasco muito mais interessante.
Terminada a preparação, os jogadores entrarão em um arco de cenas chamado de Ato Um, no qual interpretarão os personagens, construindo a narrativa em cima do que foi construído até então. Na vez de cada jogador, ele deve escolher se quer Estabelecer a cena, deixando a resolução a cargo dos outros jogadores ou se quer Resolver, deixando que os personagens a estabeleçam. Se você estabelecer a cena os jogadores lhe darão uma dado ao final, assinalando um final bom ou ruim, com um dado branco ou preto e você deve estragá-lo a outro jogador de sua escolha. Se você optar por resolver a cena, você escolhe o desfecho e o dado que irá entregar para outro jogador.
Os jogadores se alternarão nas cenas até que metade dos dados sejam utilizados. Após isso, os jogador partirão para a fase da Virada. 
Na virada, cada jogador rola os dados que lhe foram ofertados no ato um. O jogador que obtiver o maior resultado de cada cor, sendo que dados de cores diferentes rolados por um mesmo jogador anulam seus pontos, sobrando somente a diferença entre os mesmos, rola os dados da pilha central e com base nos mesmos seleciona dois elementos para integrar ao jogo, representando uma desordem inesperada capaz de alterar o curso das coisas. Após esta rolagem, os dados são devolvidos à pilha central e os jogadores mantém consigo os dados obtidos no primeiro ato.
No Ato Dois, os personagens se revesarão nas cenas da mesma forma que no primeiro ato, a única diferença mecânica é que aqui, os dados ofertados a você ou os escolhidos por você após estabelecer ou resolver uma cena ficarão com você. As narrativas aqui também terão uma leve mudança, pois as ações dos personagens seguirão mais com a finalidade de alcançar a conclusão da história.
Quando o último dado for utilizado neste ato, ele terminará e terá início a conclusão da história.
Na fase de conclusão, todos os jogadores rolam todos os dados e somam da mesma forma que na fase de virada e então consultam a tabela relativa para verificar o tipo de final provável para cada personagem. 
Cada jogador então narra o fim de seu personagem com base nos resultados obtidos nos dados e a história então chega a seu fim.

A narrativa segue esta mecânica simples e se estende até a conclusão. As regras são bem simples e os dados são rolados apenas no início do jogo, na virada e na conclusão, onde as rolagens influenciam na narrativa. Durante as cenas, o valor tirado nos dados não importa. O importante nesta parte do jogo é a cor de cada dado, que influenciará o desenrolar das cenas do ato dois e por consequência na conclusão do jogo. Este aspecto cria um leve aspecto estratégico ao jogo, onde os jogadores têm uma chance de premeditarem futuros possíveis para seus personagens.

Depois de apresentar as regras principais, o jogo apresenta em pequenos textos algumas regras alternativas, para acelerar o jogo ou comportar mais jogadores dentre outras. Em seguida, o autor apresenta as tabelas utilizadas para a virada e a conclusão e posteriormente fala sobre cenários, bem como regras para a criação dos mesmos e assim termina a parte das regras.

Ao fim do livro nos são apresentados quatro playsets distintos, com cenários bastante variados, ideais para iniciar com o grupo de amigos no jogo. Após a apresentação destes playsets, o autor se preocupou em construir uma sessão de jogo completa, para sanar dúvidas que possam ter surgido após a leitura das regras.

Para finalizar, o livro mostra uma nota de agradecimento do autor, uma filmografia com mais de cinquenta filmes para ambientar os jogadores, um resumão com os passos rápidos para cada fase e indicação de página das regras, uma lista de sites de referência e um índice remissivo.

Bem galera, é isso que eu queria trazer para vocês. Assim como o Violentina, Fiasco é um jogo muito rápido e divertido, que todos podem ser mestres em sua vez e que não necessita de preparação antecipada, embora no Fiasco é possível se construir um playset antes de iniciar a sessão para agilizar o processo.

Espero que tenham gostado, grande abraço a todos e até a próxima!

Links relacionados:

Página da Retrostore, com material gratuito para download + compra do pdf do jogo: http://retropunk.net/store/8-fiasco?